segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Frase à Flor da Pele

É um tanto de mim que escreve sem que eu perceba.

Internet

Brilho

Quero os versos mais simples
De seus lábios complexos
Quero poder com um gesto
Desatar o nó de suas mãos tão cruzadas

Quero a ousadia em seus olhos entediados
O seu vigor nos cílios pintados
Quero trazê-la para o aroma das flores
Inebriá-la

Que os sentimentos se vistam de primavera
E sorrisos sejam os beijos da sua boca
Que chegue com seu charme discreto
Mais perto

Olhos cintilando como sol que brilha no mar
Maquiagem para realçá-los
Pérolas juntas em um colar
E um decote de arrepiar

Mãos sem medo de se soltar
Leves lábios rosa
Poesias no abrir e fechar
Quero você quando não se prende

Internet

Verde Concreto

Verde
Concreto
Árvore
Deserto

Pedaço de chão
Terra e tédio
Prédio
Prisão

Lama da chuva
D’água que inunda
E um canto pássaro
Sobra do fim do mundo

Verde
Assoalho
Concreto
Aéreo

Fogem a graça
As garças
Quem beija as flores
Em voos poéticos

Verde
Concreto
Paredes transeuntes
Fungos estéticos

Verde
Em seus olhos
Não mais são
Reflexos

Internet



Saudade I

Ouvia a sua voz
Claramente
A saudade não me abandonava

Via seus olhos
Calmamente
A imagem se apresentava

Há pouco
O seu respiro
Eu respirava

O tempo
Facilmente
Não se afastava

A fórmula do passado
Eu a bebia
Em goles débeis

Lembrava
Lembrava
Mas não era ao acaso

Se eu pudesse
Um voo raso
Com garras afiadas

Mas estava tão longe
O perto
Esse imerso distante

Seu eu soubesse
Da saudade
Impalpável

E a saudade
De mim
Nada lembrasse

Tampouco
Apelasse
Inegável